03/07/11

Aviso aos navegantes.

Estamos provisoriamente com as atividades paralisadas.

Abraços, até o retorno.

22/02/11

Poesia sobre mim



Sobre mim
ela é toda poesia.
.
.
.

.

2011

Dois mil e onze ainda não chegou neste quarto.
Mas sei que virá calma e lentamente,
afinal cá não passa o tempo.

27/12/10

Natal!

Para todos que esperaram ansiosos o velhinho do saco vermelho.

19/11/10

VEÍCULO QSP!!!



veículo q.s.p.

é uma fusão co-administração da poesia do grupo ACADEMIA ONÍRICA com a música da banda QUARTERÃO – indicado para o tratamento de qualquer efeito placebo, diz NÃO a toda prescrição manipuladora! – inibidor potente da flacidez do não-dito, do não-feito! – estudos adequados atestam sua eficácia pró-permanência de toda sorte de inspiração, sobretudo as inflamáveis – tais pesquisas também confirmam que a administração de VEÍCULO Q.S.P. concomitantemente com festa, diversão e fúria resultou em um considerável acúmulo de bem estar no paciente, ou melhor, no sujeito – embora estudos de interações com outras drogas não tenham sido realizados, tais combinações podem ser positivas: combatendo ânsia, angústia e medo – existem relatos de que POESIA TARJA PRETA é certeiramente indicada para exterminar, de modo sumário, algemas e o mais que com elas se pareçam – QUARTERÃO é adequado para catalisar o grito primata do homem solar, intermunicipal e provinciano, que se rebela contra as agruras da decrépita cidade frankstein – VEÍCULO Q.S.P. é bem tolerado – as reações adversas mais comumente observadas são reverberações no tempo – isto é, reações adversas, não – o espanto é poético, ou seja: foi, é e será uma QUANTIDADE SUFICIENTE PARA uma reação adverso +

29/10/10

O Magarefe

.
Dizem que a agonia de um bode ante a morte é quase humana, é quase como abater alguém.

Éééeeeeeaaaaaaaaaaaaiiihhhhrrrrrgggg!!! O grito apavora, aterroriza, oprime. Quando me vê com o cutelo e o avental já manchado de sangue cada fibra daquele pacote indefeso de carne estremece. Seus músculos são cordas vibrando um réquiem da matéria inconsolável. Ele se imprime contra a parede, fere a pele, agita as pernas em corrida deslizante, alardeia súplica em brado, a dignidade escorre e espuma pelos cantos da boca. A carne trêmula chora. Tenta em vão capturar em resfolego alguns segundos a mais. O grito apavora aterroriza oprime... Me estremece! Minha pele eriça, os poros captam impulsos estáticos e o fedor do medo expelido em aflição.

O olhar lastima em contorcida angústia e choro e grito, o gume da lâmina. O desespero verte cristalino, sal e água pela face. Argrrraaahhhh! Grasna agonia guturalizada pelas cordas molhadas, soluça lágrimas de dor e certeza.

A morte são apenas os efêmeros instantes que antecedem a ida. O fio firme e gélido corta o pulsar. Dilacera. O esguicho ecoa em agudo e longo lamento, tão alto, tão vívido que me acerta o âmago... e cessa. Por um lampejo aquela vida inteira me passou pela vista e aquela alma sente a minha.

Minha vontade estanca, meus músculos desenrijam. Meu coração de ânsia comprimida faz correr todo sangue em único ruidoso espasmo que aquece toda carne suada e exausta. Quem nunca fitou a alma no instante em que foge não percebe o poder do borrifo vermelho no meu rosto e quão triste ele é. Toda uma vida se justifica em quase um segundo.

Esbaforido inalo em frenesi o troféu rubro que me escorre do rosto com o suor. E agora: meu vazio, meu êxtase, minha dor e meu regozijo. Amaldiçôo tal sina, trago a morte no cenho, alimento minha vida de cada ceifa.

Dizem que a agonia de um bode ante a morte é quase humana, é quase como abater alguém... Dizem errado!

25/10/10

14/09/10

De nada!

.
Tiago então descobriu que tinha de fato não um, mas dois Egos. O Ego e o SUPEREGO. Agora quando responde os achincalhes que NADA lhe afetam, desfia com ares de canastrão mexicano e desfaçatez no canto da boca – Meus EGOS!
.

30/08/10

Dia de nada

.
Tiago chegou em casa depois de um dia extenuante de trabalho, fazia tanto calor em Teresina que seu tento ainda crepitava do pesado sol de meio-dia. Resolveu enfim se permitir a um luxo melindroso: despiu-se! Ficou nu. Nada de roupa. Nuzão em alegria. Vestia apenas brisa e entregou-se ao frio do piso.

Ficou ali, parado, olhando para as telhas que insistiam em formar desenho algum, era o homem vitruviano da preguiça e do friozinho do chão. – Ai ai... Que maravilha, liberdade! Sussurrou com riso franco na boca. Era como se ele descalçasse sapatos três números menores após um dia de caminhada... Um incomensurável alívio.

Quando já se perdia em idéias frias de colinas nevadas e fogs de gelo seco ignorando o bombardeio solar lá fora, ouviu a voz de Dona Maria o chamar no portão da mureta – Saco! Resmungou. Dona Maria era uma senhorinha muito amiga de sua mãe, tinha idade já avançada, um jeitinho de beata de quermesse do interior, não tenho certeza, mas às vezes parecia de “Belzonte” e a esta altura de suas férias vitalícias, tratava apenas de informações alheias. A única qualidade de Dona Maria era sua filha, menina linda de rosto e jeitos finos, a quem Tiago desejara desde que se mudou para a vizinhança. A partir daí travou uma batalha diária para que ela o notasse, quando a encontrava na rua pescoçeava como periquito para ver se ela o havia visto, e sempre fingia que ela fingia que não o notara. Pobre Tiago.

– Tiago!
– Oi DonMaria! Já vai!

Pôs-se de pé e esgueirou-se até a janela que dava no portãozinho com cuidado para não expor suas liberdades aos olhos armados e maldosos. Levantou a cabeça sobre o parapeito como um fantoche, girou para um lado, para o outro e... – Ué! Cadê a DonMaria?

– TIAGO!! Virou-se do susto tropeçando no sofá e almofadas, nem teve tempo de proteger o... os... sua masculinidade. A velha estava lá, pasma, vermelha com as mãos sobre a boca escancarada. Tiago finalmente reagiu e enfiou uma almofada no colo e exclamou – DonMariaoquequeasenhoratáfazenoaqui?

– Meu filho pelamordeDeus!
– Ouh DonMaria! A gente num entra sem bater não...
– Num se preocupe, eu num vi nada! Nada, nadinha...

Tiago percebeu um ranço, um sarcasmo na afirmação da velha.

– Como assim não viu nada?
– Não vi nada. Eu olhei, mas não enxerguei nada.

Ah meu filho! Tiago então se enfureceu com aquela ofensa a seu prestigioso ego, tudo bem que seu ego não fosse enorme, algo que se exclamasse – Meu Deus que ego! – ou que o denunciasse numa andança ordinária. Mas nada? Nada! Nada era demais.

– Como assim nada?
– Nada! Num vi nada.

Com a cabeça latejando de raiva disse – Ah é? Pois eu vou mostrar o nada.

Levantou-se num pulo, sacou a almofada, apoiou os punhos nas ancas e fez pose de vitória olhando levemente para o alto de sua direita.

Cri, cri, cri... nenhum som, nenhuma reação, de fato acho que até os carros pararam neste átimo insano.

Dona Maria olhava direto à virilha, apertando a vista como míope que tentasse ler sem suas dioptrias, e declarava um pequeno dissimulado e sínico sorriso no canto direito da boca – Nada, não vejo nada.

O espanto de Tiago só exponenciava sua ira. – Ah é? Pois olhe!

Então se sucedeu o mais horrendo e perplexivo balé jamais imaginado. Tiago pegou distância e engatou passos de break ao som imaginário de “ice, ice, baby...”, foi de lado ao outro da sala mostrando seu Hammer, “u can´t touch this, oh, oh, oh, oh, oh, oh, oh, oh, oh, oh...”, voltou com um deslizante Moonwalker, floreou com um pouco de Footlose, encarnou John Travolta nos Embalos de Sábado à Noite, “ah, ah, ah, ah... staying alive, staying alive...” e encerrou magistralmente com o “power slide” de Flashdance, “She's a maniac, maniac on the floor...”. Ofegante, esbaforido, suado e vitorioso, de joelhos aos pés de Dona Maria, Tiago desafiou – Então, e agora o quê que a senhora acha?

A velha com olhos marejados do espetáculo (desconfio que era pura vergonha alheia), e com a cabeça em negativa olhou-o ternamente e disse – Eu não acho NADA Tiago, não vi NADA! – e gargalhou já de saída.

Caiu a ficha. Seu enrugado orgulho o havia levado a um erro que pagaria com o couro. – Logo DonMaria, a fofoqueira da rua, pra quê meu Deus. Tiago nunca havia se sentido tão diminuído, pequeno, encolhido como num dia de frio, murcho, retraído, mínimo, ridiculamente ínfimo, mas isso era só um detalhe. Um pequeno e irrisório detalhe... perto do que o aguardava.

Nada. Foi como se sentiu no dia seguinte quando voltava de outro dia sofrível de trabalho. Todos na rua o olharam com riso escancarado ecoando a mesma palavra em várias notas e tons, que mais pareciam seu réquiem: Nada. N-a-d-a. Na-da. N-a-na-d-a-da. NADA! Seu nada ecoou em olhares insidiosos e sorrisos de cínica e cruel câmera lenta. Agora ele fingia que os outros não fingiam que não falavam dele.

Os dias de escárnio se repetiam sem dó. Havia se encodeado num novo e sorumbático mundo, evitava sair de casa e se escondia nos afazeres cotidianos. Já tinha planejado até mudar de aparência, ou de caminhos até a chegada de sua casa, ou os dois. Tinha pensado em barba cheia e fechada, quem sabe um terno. Não, não, muito distinto... um mendigo ou um hippie. Hippie não! Nem por isso valeria a pena descer tão baixo.

Chegou cabisbaixo com o montante de sol e troças nas costas, a pele frita e o juízo fervendo. Lançou a mochila e as roupas sobre a cama e foi banhar-se. Enfiou a cabeça na ducha do chuveiro como se pudesse escoar seu grande nada. Nada. Nada foi o que se tornou sua homenzice. Clap, clap, clap. Palmas à porta. – Mãe! Gritou – Tem gente na porta. Clap, clap, clap. – Mãe! Mãe? Pôs a cabeça no corredor e viu nada. Ninguém na casa. Apressou-se em por ao menos a toalha para evitar outros achaques e foi ao portão.

Esgueirou-se ao portal lateral da entrada de onde se via o portãozinho da mureta. Era a filha de Dona Maria. Agora ele queria poder fingir que não a havia visto. Só faltava agora a filha de Dona Maria o agravar também.

Não sabia onde se enfiar, queria uma fresta do submundo pra pular dentro e sepultar aquele embaraço. Rebuscou uma fagulha de coragem, acho que era desespero, encheu o peito, desceu de toalha com afronta nas sobrancelhas grossas e cerradas e disse em grave e ríspido tom – O quê que tu quer?

Com as mãos pra trás, o sorriso lascivo e a cara mais desavergonhada do mundo, os olhos lampejantes e mirando enviesado para o chão e para Tiago, ela emendou – Eu...? Eu quero NADA!
.

28/08/10

TRIMERA N° 4!

Já está nas bancas a Trimera n° 4!!


Chegamos à última edição da revista.

Agradecemos a todos que ajudaram, que atrapalharam, os que sequer souberam de sua passagem por aqui, os entusiastas, os sonhadores, os críticos, os devedores, os gênios incógnitos, os medíocres notórios, os artistas, os não-artistas e, por fim, os escritores, estes em menor número.

Sirvam-se das postas desta literatura rasgada onde derramamos nosso sangue e com borrifos e filetes tingimos essas últimas páginas.


Bon apetit!



Leia a Trimera on-line.

19/07/10

Como um pato

.
Às vezes me sinto

como quem quase anda,

como quem quase voa,

como quem quase...

Nada.

30/06/10

Dia de empregada

.
Desde bem antes da morte da esposa ela já o servia, limpava suas botas quando vinha do estábulo, servia bebida e café enquanto ele sentava com os pés apoiados na pequena mesa de madeira escura.

A submissão no olhar admirado lampejava a todos, e apesar do zelo, apreço e adoração era a empregada e ele a tratava assim... Como a empregada.

Era figura importante na cidade, bem relacionado e querido entre os amigos. Gabava-se em tom rude da lida e agruras que enfrentou para ser quem era. Vivia a respirar a admiração que todos o ofertavam. E ela, sem nada ter, ofertar ou esperar, complacentemente o amava.

Esperava-o toda noite com a mesa posta, a toalha no ombro, os ombros encolhidos e o lava-pés ao lado de sua poltrona de couro, seguia a mesma rotina todo dia com o fervor de beata em procissão.

Naquele dia limpou-lhe as botas de lamas e esterco, lavou-lhe os pés com morno banho de ervas, enquanto ele degustava etílico aperitivo para temperar o repasto. Então em rompante, ele bateu o fundo do copo fortemente contra a mesinha, fitou-a o fundo dos olhos com fúria e fogo e a tomou nos braços com grosseiro beijo.

Naquela noite foi dele, apesar do êxtase não ousava palavra, ele não gostava, não ousava carinho, ele não a amava. Era a empregada.

Todo dia ela o amava, todo dia ele que a não amava, a tinha. Por anos serviu-lhe à mesa e à cama, era odalisca, era gueixa, era ama e aia, era mulher, amante, era o colo, era o calo, era o gozo, era o escape e ainda era a empregada.

Achava suficiente a ter, não a merecia ou desmerecia, não a respeitava mais por tudo, tão pouco a respeitava menos, aquele cotidiano o bastava. Então, sob um meio-dia, hora onde não se nasce ou morre, feriu-lhe o imo, tão lancinante angústia, que sentiu o gosto do palpitar surdo do peito a travar-lhe a garganta. Atinou à casa num galope resfolegante e cego cruzou o acre de terra na amplitude de um grito. Abriu a porta e encontrou-a ao chão em corpo lasso e rubras lágrimas a verterem os olhos.

Desesperou-se como da outra vez, mas desta não permitiria a morte, berrou agonia em raiva aguda tão forte que convocou todos em quilômetros, que sem saber o porquê vieram em seu apelo. Todos que lhe deviam respeito ou dinheiro o acudiram a afastar o sinistro.

Cuidou-a como o mais caro presente, gastou fortuna e grisou os cabelos em busca duma cura, dedicou cada segundo de cada mês daquela estação a cuidá-la de tudo. Lembrou: os anos de esmero e desvelo, dos olhos a ofertar carinho sem riso em resposta, dos anos dados porque sim, as horas ansiadas por qualquer coisa, a lágrima contida e o sorriso sentido.

Perdeu noites vigiando espasmos a anunciar melhora, perdeu a calma a esperar o alívio, vendeu terras e empenhou o nome, perdeu as forças. Mas num dia de tristeza em que a desesperança escorria em solitária gota, quando o último filete do ocaso a tocou no rosto, inexplicável como a vida, ela abriu os olhos.

Ele a viu como novo parto e chorou como vivesse tudo de uma só vez, mas não sorriu, abraçou-a tão forte que se ouviu nas duas caixas apenas um retumbo.

Amparou-lhe no ombro e em recuperado semblante austero desfilou as ruas da cidadezinha como herói, onde todos o reconheciam com respeitoso sorriso e leve meneio. Desta vez não permitiu a morte. Conduziu-a até a casa e abriu-lhe a porta.

Ela parou ao primeiro passo e olhou minuciosamente toda a casa que agora sentia sua, marejou os olhos à visão de cada cômodo e cada badulaque e trouxe a memória de tantas datas. Com amor em sorriso aberto e alegria em choro procurou pelo homem que lhe ofertou nova vida em presente.

Achou-o já sentado na poltrona de couro, com os pés apoiados na mesinha escura, com as mãos firmes cravadas nos descansos e o semblante duro e ríspido, que era só seu, estampado em plenitude. O ranger pesado dos anos na face anunciou a primeira fala, fitou-a sem sorriso e disse: – Me limpe as botas!

Continuava empregada.

16/06/10

A devorante


Disse-lhe que não se preocupasse, que seria o melhor homem que tivera, o mais bravo dentre todos os guerreiros que já a amaram. Ela o esnobava e ria-se a seus esforços, como se ninguém superasse o contendido passado. Até o dia que lhe veio à porta com sangue manchando a face de lobo. Ela se entregou ali mesmo no batente do último degrau branco enquanto se embriagava com o cheiro pútrido e o sanguino gosto dos corações devorados de seus antigos amantes.

08/06/10

" Sou um homem bom,
apenas mudei o sabor
para que o mundo não me devorasse. "


João Azedo
.
.