06/04/2010

Gênesis

.
Existia só. Nunca amou ou teve amores. Guardou em si a solidão e crueza do mundo. Cortou os pulsos na banheira dum rio, sem platéia. E do pletórico gotear emergiram amantes puro-sangue a celebrar em lasciva procissão as reminiscências do criador.

3 comentários:

lais disse...

E quantos filhos não transitam entre nós... muito bom. Melhor a cada dia.

Francisco de Sousa Vieira Filho disse...

Nephlins?! :D

Andarilho disse...

Gostei bastante... poético, firme com leveza.